Errata e pedido de desculpa ao ministro Mercadante

Supremo autoriza investigação de Edinho Silva, ex-tesoureiro da campanha de Dilma, e hoje ministro da Comunicação Social do Palácio do Planalto. Suspeita: que dinheiro usado na campanha, mesmo declarado, tenha vindo do cartel do petrolão, isto é, das propinas cobradas nas licitações fabulosas da Petrobras.
Com meu pedido de desculpas (duplo, porque tardio) ao chefe da Casa Civil, Aloísio Mercadante, esclareço que a Procuradoria-Geral da República informou q tanto o caso dele quanto o do senador pelo PSDB de SP, Aloysio Nunes Ferreira, não têm relação com a Lava-jato. O Ministério Público pede ao Supremo Tribunal Federal autorização para investigar se ambos trabalharam com caixa dois na campanha (a de Mercadante, ao governo do estado de São Paulo). O inquérito sobre o ministro Edinho Silva já foi autorizado pelo STF. Os outros dois ainda estão sendo examinados.