A presidente esbanja otimismo. O real segue derretendo.

E depois do discurso da presidente na ONU, em que ela esbanjou certeza e otimismo, a operação desmanche do real continuou.
Atualizo o texto que publiquei às 15:17, quando faltavam cerca de duas horas apenas para o fechamento do mercado.
Uma das três maiores agências de risco do mundo, a Fitch, mandou recados que, embora hábeis e cuidadosos, aumentaram a preocupação de quem investe no Brasil.
Dólar: estava em R$ 4 lá pras 3 da tarde, duas horas depois fechou em R$ 4,11, alta de 3,4% no dia e de 54,5% no ano.
Euro: subiu mais dez centavos entre 3 e 5 da tarde. Só é trocado (por um importador; para o turista, como sabemos, é bem mais salgado) por R$ 4,62, 3,25% a mais do que na sexta, e 40% acima do valor do último dia de 2014.
Libra esterlina: de R$ 6 à tarde, cresceu entre 10 e 20 centavos até o fim dos negócios. Alta no dia variando de 2% a 3%. Alta acumulada só em 2015: 50,5%.