Só pra quem pode. Índia baixa os juros porque meta de inflação está ok

Inveja.
Índia corta em meio ponto sua taxa de juros (para 6,75%), alegando que vai tudo bem obrigada com a inflação.
De fato, a meta é de 4%, mas os preços sobem 3,7%.
O país não baixava tanto os juros de uma só vez há seis anos. Agora pode se dar ao luxo de ir contra a corrente. Decide incentivar o consumo, e, para isso, baixa o custo local dos empréstimos.
Corta para o Brasil.
Em janeiro de 2011, a presidente Dilma herdou uma Selic de 10,66%. Que em menos de dois anos foi cortada para 7,14% (outubro de 2012).
De lá pra cá, a Selic dobrou. Está em 14,25%.
Motivo: a presidente herdou inflação de 6,5%. Deveria perseguir a meta de 4,5%. Mas fez o contrário.
Optou por brigar com a matemática.
Insuflou os gastos fiscais e distribuiu incentivos para o endividamento de famílias e empresas.
A farra fiscal foi tanta, que o IPCA anual está 9,5%.