Dinheiro foge dos emergentes pela primeira vez em 27 anos

Brasil e Turquia são os mais afetados. A saída vai superar a entrada de capital em 2015, o que não acontecia desde 1988.
São 30 os países emergentes objeto de estudo do Instituto de Finanças Internacionais, IIF na sigla em inglês, cujo relatório foi divulgado hoje.
Especialmente feia é a situação do Brasil e da Turquia, que reúnem os piores problemas: grande déficit em conta corrente, questionáveis estruturas de política econômica, grandes passivos em moeda estrangeira e agudas incertezas políticas.
A informação do instituto sai apenas dois dias depois do duríssimo aviso do FMI também sobre os emergentes.
São países, segundo o Fundo, que estão diante de uma iminente quebradeira geral, a menos que seus governos adotem medidas preventivas à virada dos juros do Primeiro Mundo, que pode acontecer a qualquer momento dos próximos três meses.
O Instituto que publicou o documento de hoje reúne 500 instituições financeiras de 70 países.
Detalhe: o presidente do Itaú, Roberto Setúbal, é vice chairman, membro do comitê executivo e compõe também o comitê de países emergentes do mesmo IIF.