Brasil perde com histórico acordo comercial

Que diferença.
Os dois no segundo e último mandato presidencial.
A aprovação à presidente Dilma no chão.
A do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama vem melhorando faz tempo.
Mas hoje ele arrasou.
Que diferença. Que inveja.
Estados Unidos, Japão e 10 países do Pacífico anunciaram agora de manhã o maior acordo comercial da história.
Os 12 países representam 40% da economia global.
É uma enorme vitória das duas grandes potências.
Reduz a dependência da China.
O novo bloco do Pacífico, como está sendo chamado, vai reduzir tarifas e barreiras comerciais.
Fixará novas regras internacionais para investimento, propriedade intelectual, meio ambiente, relações de trabalho e abertura da internet.
Canadá, Chile, Austrália e Vietnam assinam o tratado.
Nada disso ajuda o já fragilizado papel do Brasil no comércio internacional. Ao contrário: é um golpe com letra maiúscula na nossa pobre competitividade.
Uma das características da (não?) política comercial da presidente Dilma foi resistir aos acordos comerciais multilaterais. As conversas vinham sendo a conta gotas. De país a país. Ela prometeu mudar. Reconheceu a necessidade de acordos mais abrangentes.
Já fez alguma coisa?
Não.
Precisou entregar os ministérios… Ah, deixa pra lá.