Até tu?

E essa agora? Até a Receita Federal “persegue” Lula?

A julgar pela contrariedade do ex-presidente com as recentes investigações (conforme relatado por “amigos próximos”), surge agora uma terceira instituição federal empenhada em “perseguir” sua família.

Até aqui, o “ressentimento” tinha dois nomes: Polícia Federal e Ministério Público.

Há meses, os jornais informam que, depois de ter conseguido remover da Casa Civil o ministro Aloizio Mercadante, o alvo do ex-presidente agora é o personagem que, em sua opinião, é um mau chefe da Polícia: José Eduardo Cardozo, da Justiça, um dos mais antigos colaboradores de Dilma.

É verdade que, desde o mês passado, Lula e o PT também não poupam críticas ao ministério da Fazenda e às propostas de ajuste fiscal.

(Incrível feito deles, aliás: conseguem ser situação e oposição ao mesmo tempo… )

Muito bem. Acontece que a mesma lógica que levou Lula a se voltar contra o chefe da polícia pode ser usada agora contra o chefe da Receita, que vem a ser o ministro Joaquim Levy, pai do ajuste fiscal contra o qual o PT se posicionou oficialmente repetidas vezes.

Com um agravante. Além da própria família do ex-presidente, a Receita pede também a quebra do sigilo fiscal da filha de seu dileto, antigo aliado, o ex-chefe da Casa Civil Gilberto Carvalho.

A filha de Gilberto Carvalho tem um restaurante. O filho caçula de Lula, 30 anos, educador físico, tem empresa de marketing esportivo e corretora de seguros.

A Receita alega que o fim do sigilo fiscal é necessário para o bom seguimento das investigações que apuram se a medida provisória que isentou os carros do IPI no governo Lula foi comprada pela indústria do setor mediante pagamento de propina a lobistas – que pagaram políticos e, eventualmente, até empresários de marketing esportivo.

A ver. Não há acusados. Não há réus. Há investigações por enquanto.

Isso ainda vai dar um rolo…