Bingo! O mundo mudou. Também para o filho de Lula.

São abusivas as recentes ações da Polícia Federal?
É fato que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, não tem controle sobre a Polícia Federal?
As respostas simples e claras a essas perguntas estão aqui, em artigo do Consultor Jurídico.  As dúvidas surgiram porque o filho caçula de Lula, depois de ter o escritório revistado com autorização judicial, recebeu uma intimação ao chegar da festa de 70 anos do pai, às 23:00 de terça-feira.
Há, ou deveria haver, diferença de abordagem a um filho, a um amigo, ou a alguém desconhecido de ex-presidente da República?
Abri para ler sem grande expectativa.
Para minha surpresa, encontrei um texto para leigos e sem “juridiquês”.
O autor, que já foi desembargador, diz que a Polícia Federal, “muito mais do que por sua estrutura que é deficitária, vem prestando relevantes serviços ao país. E é a respeitabilidade por ela conquistada que lhe dá ampla independência para apurar delitos (…)”.
O dr. Vladimir Passos de Freitas é presidente da Associação Internacional para Administração da Justiça (IACA, na sigla em inglês), com sede nos Estados Unidos.
Criada há 11 anos para perseguir a eficiência do Poder Judiciário e o acesso do público aos tribunais, a entidade reúne 24 países de todos os continentes.
Ao que acrescento: as novas democracias, especialmente da América Latina, agradecem.
Com a expertise de uma pessoa no comando da IACA, portanto, o autor põe em contexto mundial as investigações ora em curso no Brasil.
Bingo: os tempos mudaram.
Queiram ou não, o Fórum Global sobre Transparência e Troca de Informações para Fins Tributários é uma realidade.
E não menos importante: é compreensível que os pais fiquem raivosos com a intimação do filho, mas seria uma ótima oportunidade para provar idoneidade.
Bingo de novo!
Em meio à avalanche de notícias ruins, a leitura já melhorou meu feriado.
É uma lufada de esperança.
Chamo atenção para o artigo, com os votos de melhorar também o seu. Conte-me depois.