Língua enganosa e subornos dos governantes e dos ricos

Operação Miqueias
Assunto: aposentadoria de funcionários públicos evaporando em fundos “formados por “papéis podres”, segundo a Polícia Federal. Tudo em troca de propina – também paga, claro, com dinheiro público.
Conforme explico em meu texto anterior, caí aqui ao pesquisar sobre o deputado que preside à Câmara nas próximas horas, dado que Eduardo Cunha foi liminarmente destituído pelo Supremo.
Investigações vêm desde 2012.
Textual da PF: “Essa é a primeira operação da história da PF no combate a esta espécie de crime”.
E a explicação: “O nome da operação refere-se a Miqueias que denunciava os governantes, chefes e ricos das cidades de Jerusalém e Samaria que roubavam o povo através da língua enganosa, com armadilhas, exigiam presentes e subornos.”
Investigam-se organizações criminosas com inúmeras células.
Operação deflagrada em setembro de 2013 em 9 estados e no Distrito Federal.
Depois de 18 meses de investigação em que se constataram “irregularidades” na Previdência Social de 15 municípios, entre eles Manaus e Ponta Porã, MS.
http://www.pf.gov.br/agencia/noticias/2013/09/pf-combate-fraudes-em-fundos-de-pensao-municipal

A mim, a Operação Miqueias tinha passado despercebida. Hora importante para nos informarmos sobre mais essas mazelas que compõem o alegado déficit público, que de déficit nada tem.

É puro roubo a céu aberto. Torcemos para mudar o tempo do verbo e passar a dizer: era puro roubo a céu aberto.