Tem lógica? Não, né?

Ausente deste espaço há vários dias por motivos alheios à minha vontade (trabalho, trabalho, trabalho na espantosa crise que a sra Dilma nos entregou), andei fazendo uma espécie de copião de várias notas que preciso publicar aqui. 
Todas pendentes de releitura no bloco do meu celular.
Mas acabo de ver um número tão emblemático de tudo o que está caindo sobre as nossas cabeças, que começo pelo fato mais recente.
Saiu hoje o IPCA de maio.
Como sabemos, trata-se da inflação oficial.
Pois então: foi o pior maio em oito anos! 0,78%.
12 meses: 9,32%. Mais do que o dobro da “meta” que nasceu para ser a âncora do Plano Real.
Plano que foi atirado ao chão pela janela do Palácio do Planalto.
Responsabilidade do PT, certo?
Mais ou menos!
Qual o item que mais agravou o número do IPCA de maio?
Aumento da Sabesp, governo do Estado de São Paulo, há décadas sob o jugo de um mesmo partido, o PSDB, que, em tese, era a principal legenda da oposição ao PT no Congresso.
A lição que a gente espera sirva aos sucessores tanto de Dilma quanto de Alckmin (sr. Geraldo, o governador tucano de São Paulo), é que martelar preços é burrice.
É inacreditável que chova como o diabo em São Paulo, e que, agora que a pior seca da história acabou, a tarifa da Sabesp dispare 42% num único mês.
Mera e simplesmente porque acabaram-se os bônus na conta de água durante a seca.
Tem lógica?
Não, né?
Mas, assim como fez o Planalto ao represar o preço da gasolina quando queria fazer demagogia, o Estado de São Paulo, administrado pelo lado oposto da política, puniu agora a população.
E esse aumento brutal vai repercutir até nos aluguéis das favelas do Ceará.
É a indexação, a velha correção monetária, que, às primeiras dificuldades do Plano Real, foi se apossando do Brasil e hoje está presente, diretamente ou não, em todos os contratos, sejam trabalhistas, financeiros ou de serviços.
Não é um problema econômico nem partidário – ou, se quiserem, ideológico.
Se nada for feito, essa garotada cheia de energia que ocupou as ruas em apoio à Lava Jato estará fadada a regredir ainda mais na fila da competitividade e do progresso.
O Brasil, infelizmente, está cheio de discursos e vazio em matéria de desenvolvimento.
O mundo anda.
A gente vai ficando pra trás.