Afinal, de quem é Chalita?

O homem que fez a Lava Jato adentrar o Planalto, abalando o presidente da República, Michel Temer, atende pelo nome de Gabriel Chalita.

Confirmada ou não, a delação (400 páginas!) do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, já “causou”, como se diz popularmente. 

Não sobra praticamente ninguém no primeiro escalão do nosso ´establishment´.
O tópico que menciona Temer é, por motivo óbvio, o que mais chama a atenção.
E o incrível é que ele esteja perdendo o sono por ter sido acusado de pedir dinheiro para a campanha do “menino”, o então peemedebista, Gabriel Chalita.
Aos 47 anos, o “menino” já transitou por quatro partidos políticos.
De 2011 a 2016, representou o PMDB do presidente da República.
Mudou-se em março para o PDT.
Foi secretário da Educação do prefeito do PT de São Paulo, Fernando Haddad.
Há 15 dias, demitiu-se para, aparentemente, pavimentar a candidatura a vice-prefeito na chapa do próprio Haddad, daqui a alguns meses.
Se você não estiver entendendo nada, tem toda razão.
O superprotegido de Temer há apenas 4 anos, é hoje unha e carne com Haddad, que fecha e não abre com Dilma e Lula, os superinimigos do mesmo Temer.
Chalita não deixa de ser um personagem típico da salada em que se transformou o sistema político partidário nacional: uma bagunça.