Correios, Postalis e tungadas

Rombo preliminar de 700 milhões só na ECT.
Aviso ao público: dinheiro para pagar salário acaba em setembro. 
Deu no jornal Valor de hoje: o passado pode ser pior porque os prejuízos declarados parecem bem aquém dos verdadeiros.
Link do Valor: http://mobile.valor.com.br/empresas/4603613/correios-buscam-saida-para-colapso
No mesmo jornal, e no link (acho que fechado a assinante):
http://mobile.valor.com.br/financas/4603143/novo-comando-dos-correios-decide-trocar-direcao-do-postalis outro banho de desânimo.
O fundo de pensão dos mesmos Correios tem déficit bilionário idem.
A última tungada nos vencimentos dos carteiros só não rolou graças a uma liminar.
São também eles, os funcionários dos Correios, que estão sendo chamados a cobrir o rombo cavado pela organização criminosa que se disseminou, deitou, rolou e roubou durante os governos do PT.
E quem tem influência documentada no Postalis desde 2005?
Alberto Youssef, o doleiro mor da Lava Jato.
As denúncias remontam a 2005, e surgiram na CPI dos Correios que desembocou no mensalão.
Exemplo: o Postalis investiu em títulos de uma empresa administradora de fundos que já quebraram.
A Polícia Federal desvendou um complicado labirinto de passeio do dinheiro que começava nos fornecedores da Petrobras, roubava dos carteiros, e ia parar no bolso dos companheiros do PT e seus asseclas.
O horroroso caso do edifício Solaris do Guarujá, litoral de São Paulo, também deu prejuízo monumental ao fundo de pensão dos nossos carteiros.
Através da mesma turma do PT, que, talvez não por coincidência, também mandava na cooperativa habitacional dos bancários, a vendedora original dos apartamentos na praia e que também quebrou.
E eu nem lembrava: os Correios estão sob o guarda-chuva do ministro Gilberto Kassab, da Ciência, Tecnologia e encarregado também das Comunicações.