O faz de conta da Previdência

Mas dá pra acreditar que, no calor dos acontecimentos da última semana, o governo insista em pedir mais sacrifício pra população através da reforma da Previdência?
O País mergulhado em sua pior recessão, desemprego batendo um recorde atrás do outro, manifestações de Norte a Sul e de Leste a Oeste, a violência de mal a pior, saúde e educação idem, mas o que vem aí, da parte do Planalto, é uma “reforma” considerada imprescindível por 11 entre 10 economistas de renome.
Ministros apresentam o projeto junto com um tenebroso aviso: se a lei não passar, os velhinhos, viúvos e dependentes deixarão de receber porque a União quebra.
Tenha paciência.
Eles acham que a população vai ficar atemorizada?
Ora bolas, o que o Poder Executivo fez para apoiar as leis contra a corrupção, tão deformadas pelos congressistas?
Não é possível que não esteja claro para os três poderes o que a população já percebeu há tempos e graças a Lava Jato.
Que o buraco da corrupção é muito maior do que o da Previdência.
Legislativo desafia Judiciário e simplesmente não cumpre liminar do Supremo Tribunal Federal que afastou o presidente do Senado.
População vai às ruas para preservar a democracia – e o dinheiro de seus altos impostos que, roubado por organizações criminosas, desaparece dos cofres oficiais.
Mas o lema do Executivo é fazer o brasileiro trabalhar mais tempo para ter direito à aposentadoria que lhe é devida.
Depois não querem que quebre o pau.
Pelo jeito, nem o exemplo do Rio de Janeiro, onde hoje quebrou o pau de novo em frente à assembleia estadual, serve ao Planalto central.